Ternos movimentos

O que faz minha alma feliz é o amor,
essa flor que perfuma sentimentos.
E esse ar se arvora e amplia o olor
aos quatro ventos dos seus movimentos.

Formoso balé de formas e de cores
em pinceladas flores de uma pintura.
Meus olhos se alegram e alegam ardores
por contemplar a completa ternura.

Alma na carne, luz na pele, tanto calor
que derrete o que sou e soa lonjura.
Não há distância para o espírito de flor
que perfuma e clareia a noite escura.

Teus movimentos produzem ventos
e acendem uma brasa no Brasil.
O ardor que convive com o alento,
um impulsivo e caudaloso rio.

A arte alça voo e alarga resplendente
com asas de ternura, e se lança ao ar,
despontando-se além dos continentes,
vagando pelas vagas em alto mar.

Como a luz do sol, manso na matina,
e depois empina, ilumina e esclarece,
assim faz a luz da sublime bailarina,
que dança e abana longe, mas aquece.