Turbante rosa

Em silêncio, a moça do turbante rosa,

tão amorosa no seu semblante sereno,

já é uma singela e comovente cantiga

que soa aos olhos um poema de aceno.

 

Não obstante, sua doce visão contempla

arrebatada à névoa lívida da ribalta  

cintilando nos olhos uma rara lempa,

enquanto um gentil adágio a exalta.